CAPA

Empenhados em cuidar

do meio ambiente

Ações educativas do inpEV levam alunos e comunidade a agir em benefício do planeta

Alunos de escola em Luziânia revitalizaram jardim com materiais reaproveitados

Cada vez que entram na escola e se deparam com seu novo jardim, os alunos da Escola Municipal Kennedy Professora Maria Clarice Meireles de Queiroz, em Luziânia (GO), têm motivos para se orgulhar de terem revitalizado um espaço importante no seu dia a dia. Utilizando vasos feitos de pneus usados e pintados, adubo da composteira feita por eles mesmos, tinta, terra e mudas doadas pela comunidade, os alunos conseguiram colocar em prática uma ideia que leva benefícios para além dos muros da escola.

 

A partir do estímulo que nasceu da participação no Programa de Educação Ambiental Campo Limpo e no concurso DNCL na Escola, os alunos se envolveram em projetos vencedores. Coordenados pela professora Selma Pereira da Silva Oliveira, a turma do 4º ano ganhou o prêmio principal DNCL na Escola em 2015, com o projeto de elaboração de uma composteira. Em 2016, os mesmos alunos, já no 5º ano, conquistaram o segundo lugar na premiação, com a revitalização do jardim da escola.

 

Vinicius Loures

Eles mobilizaram pais e moradores da vizinhança para promover projetos voltados para o reaproveitamento de materiais e destinação de resíduos

Ao envolver a comunidade, as iniciativas disseminam a importância da conservação ambiental. “Eles mobilizaram pais e moradores da vizinhança para promover projetos voltados para o reaproveitamento de materiais e destinação de resíduos. A partir da reflexão provocada pelos conteúdos didáticos do programa, os alunos tiveram ainda a iniciativa de arrecadar roupas e brinquedos para doação a instituições carentes e promover a coleta de lixo eletrônico”, explica a diretora Maria Aparecida de Oliveira.

 

A preocupação em cuidar do meio ambiente aparece em pequenos gestos. “Não precisamos ficar lembrando para não jogarem ponta de lápis no chão e estão separando de forma correta os lixos nos cestos de coleta seletiva. Sem falar da alegria deles em sair da sala de aula e aplicar os conceitos na prática”, conta a professora Selma.

 

Há alunos que acabam ensinando as famílias, mostrando que é preciso cuidar de nosso espaço, desde a escola até o planeta como um todo.

Ensinando os pais

Com  alunos vencedores, em 2016, da etapa local dos concursos de desenho e redação, a Escola Presbiteriana Erasmo Braga, em Dourados (MS), comprova os benefícios da educação ambiental. “As crianças trabalham conteúdos ligados à conservação ambiental desde os primeiros anos do ensino fundamental e, há alguns anos, têm a oportunidade de ter uma nova abordagem por meio dos materiais didáticos do Programa de Educação Ambiental Campo Limpo”, conta a coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental 1 da escola, Carla Naiara Palma Olsen.

 

“Os alunos se animam a participar porque as atividades são muito concretas. No 4º ano, o material é trabalhado na aula de Artes, e no 5º, na de Língua Portuguesa”, explica.

 

De acordo com ela, o material contribui para mudar comportamentos das crianças e reforçar boas atitudes de alunos que já trazem essa preocupação de casa. “Mas sempre há aqueles que acabam ensinando as famílias, mostrando que é preciso cuidar de nosso espaço, desde a escola até o planeta como um todo”, destaca.

Ações comunitárias

alunos da Escola Municipal Kennedy Professora Maria Clarice Meireles de Queiroz, em Luziânia (GO)

As ações educativas ligadas ao Dia Nacional do Campo Limpo e realizadas ao longo de 12 edições também impactam positivamente as comunidades do entorno das centrais. Em Vitória da Conquista (BA), por exemplo, município que participa da comemoração desde o início, em 2005, a central promove a modalidade Ação Comunitária há alguns anos. “Já fizemos limpeza de ruas e praça na zona rural de Livramento de Nossa Senhora (BA), quando comerciantes doaram bancos e lixeiras. Em outra ocasião, realizamos passeata com os alunos, na zona rural de Vitória da Conquista, distribuindo sacos de lixo e convidando os vizinhos a ajudar na limpeza das ruas. Muita gente aderiu”, afirma Tatiane de Aguiar Passos, gerente da central de Vitória da Conquista.

Em 2016, houve a distribuição de 100 mudas nativas e frutíferas na zona urbana, em uma via de bastante movimento. Alunos de escolas da região fizeram pedágio, entregando as mudas e materiais educativos do inpEV. “Ao final, vários participantes da ação foram a um hospital público estadual realizar doação de sangue. A iniciativa teve grande repercussão em TV, rádio e mídia impressa e acabou estimulando outras escolas a fazerem o mesmo trabalho de mobilização, levando professores e funcionários a realizarem essa doação. Foi uma atividade que estimulou a prática de ato solidário e de cidadania no município,” conta Tatiane.

 

A gerente da central ressalta que o relacionamento que a unidade mantém com a comunidade gera confiança nas iniciativas. “Sempre realizamos essas ações em regiões onde já temos um trabalho, onde já somos conhecidos e temos credibilidade. Uma das ações que realizamos foi a retirada de lixo numa região em que hoje existe um parque em revitalização. Vários mutirões estão sendo realizados, com alunos e apoio dos pais, cuidando de um espaço em que a iniciativa do inpEV abriu as portas para mais atividades de conservação da região”, completa.

 

Sempre realizamos essas ações em regiões onde já temos um trabalho, onde já somos conhecidos e temos credibilidade.

Vídeo ajuda educadores a usar o kit pedagógico em sala de aula

Kit do Programa tem Jogo Colaborativo Guardiões do Planeta, Caderno do Professor e Cartaz com a história em quadrinhos

Nova edição do Programa de Educação Ambiental inclui vídeo para educadores

Os materiais didáticos da edição 2017 do Programa de Educação Ambiental Campo Limpo estão chegando às escolas que se inscreveram nas centrais de recebimento de embalagens vazias de defensivos agrícolas. Com a previsão de distribuir 8 mil kits pedagógicos, o Programa deve ter alcance ainda maior: no ano passado foram entregues 7 mil kits para mais de 2 mil escolas de 274 municípios, atingindo mais de 210 mil alunos de 4º e 5º anos do ensino fundamental.

 

Iniciativa que completa oito anos em 2017, o Programa tem uma novidade: um vídeo educativo que introduz o tema e ajuda educadores a usar o kit pedagógico em sala de aula.

 

O tema deste ano é uma continuidade da edição anterior – Resíduos sólidos: responsabilidade compartilhada –, mas o foco agora será o papel das escolas nessa cadeia. A proposta é mostrar que todos (empresas, governo, famílias e escolas, etc.) precisam buscar soluções para minimizar os impactos causados pelos resíduos à saúde e ao meio ambiente. E o papel da escola é formar cidadãos mais conscientes com a questão socioambiental.

 

Para contribuir com as instituições de ensino, o conteúdo do PEA 2017 apresenta o conceito de Escola Sustentável, estimulando as reflexões sobre as características de uma escola comprometida com a questão socioambiental. O kit propõe ainda abordagens para que o educador estimule a participação dos alunos em discussões e práticas de gestão de resíduos. Outro destaque do ano é o estímulo à atuação na comunidade, reforçando o senso de compromisso com os cuidados com o planeta.

 

Kit pedagógico

Esses conceitos estão presentes em todo o material de suporte aos educadores – Caderno do Professor, Jogo Colaborativo Guardiões do Planeta, Cartaz “Calendário Ambiental da Turma” e Cartaz com a história em quadrinhos “Responsabilidade compartilhada: a escola no desafio dos resíduos”. Como apoio complementar às comunidade escolar, o programa disponibiliza também um site, com conteúdos adicionais e o jogo online Guardiões do Planeta, lançado no ano passado e que agora ganha nova edição.

VEJA TAMBÉM NESTA EDIÇÃO

71
71

Empenhados em cuidar do meio ambiente

MARÇO ABRIL  2017

71

Empenhados em cuidar do meio ambiente

Ações educativas do inpEV levam alunos e comunidade a agir em benefício do planeta

Cada vez que entram na escola e se deparam com seu novo jardim, os alunos da Escola Municipal Kennedy Professora Maria Clarice Meireles de Queiroz, em Luziânia (GO), têm motivos para se orgulhar de terem revitalizado um espaço importante no seu dia a dia. Utilizando vasos feitos de pneus usados e pintados, adubo da composteira feita por eles mesmos, tinta, terra e mudas doadas pela comunidade, os alunos conseguiram colocar em prática uma ideia que leva benefícios para além dos muros da escola.

 

A partir do estímulo que nasceu da participação no Programa de Educação Ambiental Campo Limpo e no concurso DNCL na Escola, os alunos se envolveram em projetos vencedores. Coordenados pela professora Selma Pereira da Silva Oliveira, a turma do 4º ano ganhou o prêmio principal DNCL na Escola em 2015, com o projeto de elaboração de uma composteira. Em 2016, os mesmos alunos, já no 5º ano, conquistaram o segundo lugar na premiação, com a revitalização do jardim da escola.

 

Ao envolver a comunidade, as iniciativas disseminam a importância da conservação ambiental. “Eles mobilizaram pais e moradores da vizinhança para promover projetos voltados para o reaproveitamento de materiais e destinação de resíduos. A partir da reflexão provocada pelos conteúdos didáticos do programa, os alunos tiveram ainda a iniciativa de arrecadar roupas e brinquedos para doação a instituições carentes e promover a coleta de lixo eletrônico”, explica a diretora Maria Aparecida de Oliveira.

 

A preocupação em cuidar do meio ambiente aparece em pequenos gestos. “Não precisamos ficar lembrando para não jogarem ponta de lápis no chão e estão separando de forma correta os lixos nos cestos de coleta seletiva. Sem falar da alegria deles em sair da sala de aula e aplicar os conceitos na prática”, conta a professora Selma.

 

Ensinando os pais

Com  alunos vencedores, em 2016, da etapa local dos concursos de desenho e redação, a Escola Presbiteriana Erasmo Braga, em Dourados (MS), comprova os benefícios da educação ambiental. “As crianças trabalham conteúdos ligados à conservação ambiental desde os primeiros anos do ensino fundamental e, há alguns anos, têm a oportunidade de ter uma nova abordagem por meio dos materiais didáticos do Programa de Educação Ambiental Campo Limpo”, conta a coordenadora pedagógica do Ensino Fundamental 1 da escola, Carla Naiara Palma Olsen.

 

“Os alunos se animam a participar porque as atividades são muito concretas. No 4º ano, o material é trabalhado na aula de Artes, e no 5º, na de Língua Portuguesa”, explica.

 

De acordo com ela, o material contribui para mudar comportamentos das crianças e reforçar boas atitudes de alunos que já trazem essa preocupação de casa. “Mas sempre há aqueles que acabam ensinando as famílias, mostrando que é preciso cuidar de nosso espaço, desde a escola até o planeta como um todo”, destaca.

Ações comunitárias

As ações educativas ligadas ao Dia Nacional do Campo Limpo e realizadas ao longo de 12 edições também impactam positivamente as comunidades do entorno das centrais. Em Vitória da Conquista (BA), por exemplo, município que participa da comemoração desde o início, em 2005, a central promove a modalidade Ação Comunitária há alguns anos. “Já fizemos limpeza de ruas e praça na zona rural de Livramento de Nossa Senhora (BA), quando comerciantes doaram bancos e lixeiras. Em outra ocasião, realizamos passeata com os alunos, na zona rural de Vitória da Conquista, distribuindo sacos de lixo e convidando os vizinhos a ajudar na limpeza das ruas. Muita gente aderiu”, afirma Tatiane de Aguiar Passos, gerente da central de Vitória da Conquista.

Em 2016, houve a distribuição de 100 mudas nativas e frutíferas na zona urbana, em uma via de bastante movimento. Alunos de escolas da região fizeram pedágio, entregando as mudas e materiais educativos do inpEV. “Ao final, vários participantes da ação foram a um hospital público estadual realizar doação de sangue. A iniciativa teve grande repercussão em TV, rádio e mídia impressa e acabou estimulando outras escolas a fazerem o mesmo trabalho de mobilização, levando professores e funcionários a realizarem essa doação. Foi uma atividade que estimulou a prática de ato solidário e de cidadania no município,” conta Tatiane.

 

A gerente da central ressalta que o relacionamento que a unidade mantém com a comunidade gera confiança nas iniciativas. “Sempre realizamos essas ações em regiões onde já temos um trabalho, onde já somos conhecidos e temos credibilidade. Uma das ações que realizamos foi a retirada de lixo numa região em que hoje existe um parque em revitalização. Vários mutirões estão sendo realizados, com alunos e apoio dos pais, cuidando de um espaço em que a iniciativa do inpEV abriu as portas para mais atividades de conservação da região”, completa.

 

Sempre realizamos essas ações em regiões onde já temos um trabalho, onde já somos conhecidos e temos credibilidade.

Nova edição do Programa de Educação Ambiental inclui vídeo para educadores

Os materiais didáticos da edição 2017 do Programa de Educação Ambiental Campo Limpo estão chegando às escolas que se inscreveram nas centrais de recebimento de embalagens vazias de defensivos agrícolas. Com a previsão de distribuir 8 mil kits pedagógicos, o Programa deve ter alcance ainda maior: no ano passado foram entregues 7 mil kits para mais de 2 mil escolas de 274 municípios, atingindo mais de 210 mil alunos de 4º e 5º anos do ensino fundamental.

 

Iniciativa que completa oito anos em 2017, o Programa tem uma novidade: um vídeo educativo que introduz o tema e ajuda educadores a usar o kit pedagógico em sala de aula.

 

O tema deste ano é uma continuidade da edição anterior – Resíduos sólidos: responsabilidade compartilhada –, mas o foco agora será o papel das escolas nessa cadeia. A proposta é mostrar que todos (empresas, governo, famílias e escolas, etc.) precisam buscar soluções para minimizar os impactos causados pelos resíduos à saúde e ao meio ambiente. E o papel da escola é formar cidadãos mais conscientes com a questão socioambiental.

 

Para contribuir com as instituições de ensino, o conteúdo do PEA 2017 apresenta o conceito de Escola Sustentável, estimulando as reflexões sobre as características de uma escola comprometida com a questão socioambiental. O kit propõe ainda abordagens para que o educador estimule a participação dos alunos em discussões e práticas de gestão de resíduos. Outro destaque do ano é o estímulo à atuação na comunidade, reforçando o senso de compromisso com os cuidados com o planeta.

 

Kit pedagógico

Esses conceitos estão presentes em todo o material de suporte aos educadores – Caderno do Professor, Jogo Colaborativo Guardiões do Planeta, Cartaz “Calendário Ambiental da Turma” e Cartaz com a história em quadrinhos “Responsabilidade compartilhada: a escola no desafio dos resíduos”. Como apoio complementar às comunidade escolar, o programa disponibiliza também um site, com conteúdos adicionais e o jogo online Guardiões do Planeta, lançado no ano passado e que agora ganha nova edição.

MARÇO ABRIL  2017

71